Home Office: Especialistas sugerem cautela com tendências pós-pandemia

 

 

Pesquisa revela que 70% dos empresários pretendem seguir em casa após o isolamento;

AKMX aponta os cuidados com a decisão

 

Uma pesquisa realizada pela FIA e FEA/USP sobre o home office forçado pela Covid-19 revelou que 70% dos empresários pretendem seguir a prática após o fim isolamento. Realizada entre os dias 27 de maio e 3 de junho, a pesquisa mediu a percepção de trabalhadores alocados em cargos de média e alta gestão nesses primeiros três meses da pandemia. 

 

Apesar de trabalharem mais do que oito horas por dia e de contarem com pouco suporte de infraestrutura, 7,5 em cada 10 executivos afirmam ter uma percepção positiva da experiência. Mas, para o diretor de projetos da AKMX Arquitetura Corporativa, Romulo Maia Calheiros, as relações sociais não deverão permanecer distantes e intocáveis e os espaços abertos de convivência e interação, assim como os escritórios, não deixarão de existir.

 

“Não acreditamos nesta perspectiva. Precisamos renovar o nosso olhar e conhecimento sobre a evolução dos escritórios. Sabemos que novas práticas ganharam notoriedade, mas novos termos nascem diariamente nas constantes reuniões virtuais e se misturam com aqueles um tanto esquecidos pelo universo corporativo. Com segurança, prudência e energia, o time AKMX continua a todo vapor. Temos novos escritórios saindo do papel, o que prova que a convivência física deve perdurar”, afirma.  “Vivemos, agora, o desafio de nos condicionar a uma evolução acelerada em intelectualidade, espaço e relação interpessoal. Não só de más notícias se vive durante e pós-pandemia. É hora de retomar nossa rotina, seja ela normal como antes ou como é agora”, ressalta.

 

Ainda segundo a pesquisa, 47% dos entrevistados afirmam que não contam com nenhum equipamento ergonômico, como cadeiras, suportes para computador e bases para os pés. A infraestrutura de trabalho em casa é, em sua maioria, de propriedade do profissional, assim como as despesas decorrentes com internet (93%) e energia elétrica (97%). Até mesmo o computador corporativo não é realidade para 39% dos trabalhadores. 

 

Segurança

O levantamento ouviu 1.566 pessoas, sendo que 64,4% são de pós-graduados e 42% atuam em posições de alta gestão, como presidente, diretor, gerente, coordenador ou supervisor, recebendo um salário bruto médio acima de R$ 9 mil. A maioria dos pesquisados (58,3%) não trabalhava em home office antes da pandemia. Agora, sete em dez trabalham cinco dias da semana em casa e exercem suas atividades em um cômodo da residência que é compartilhado com outras atividades domésticas. 

 

 

 

Compartilhe
Comente
Indique
Joga no Google
Curti!
Please reload

(11) 3057.3699   |    (11) 3052.0842

Avenida Paulista, 1499 - 16º andar

01311-200  |  Bela Vista.SP

SP

akmx.com.br

RJ

(21) 2524.1098

Rua do Passeio, 38 - 2º Andar

20021-290 | Rio de Janeiro.RJ